sexta-feira, 17 de novembro de 2017

Eu te proponho #6


Obscenidades românticas
Paixão indecorosa
Beijos indecentes
Tudo vivido intensamente

(Aceitas?

O que é o erotismo(?)


O que é o erotismo(?) além da capacidade de dar sugestão à mente, enredando-a numa teia de pensamentos, perdendo-se com o que não é visto, mas imaginado? 
O que é mais erótico do que um vislumbre de um vislumbre de descoberta que deixa apenas antecipar o paraíso?

terça-feira, 14 de novembro de 2017

"Química"



É uma questão de química ... e a nossa é única ...  

Ao tocar a tua pele, ela emite fortes odores, cheios de volúpia, paixão e perversões
Odores que permanecem no ar durante dias e dias  ... apenas o tempo que me leva a desejar-te mais e mais 

Delírios Matinais #16



Quero sentir(ME) a escorrer quando o teu toque intenso percorrer a minha pele quente 
Quero sentir(ME)a escorrer quando a tua boca devorar o meu sexo que se abrirá a cada investida viperina da tua língua 
Quero sentir(ME) a escorrer quando me sugares avidamente desencadeando uma descarga de gemidos e gritos de prazer
Quero sentir(ME) a escorrer quando entrares bem fundo dentro de mim numa estocada única e forte que me preenche totalmente  
Quero sentir(ME) a escorrer quando simplesmente me possuíres e fazeres do meu corpo leito do teu prazer 
Quero sentir(ME) a escorrer 

segunda-feira, 13 de novembro de 2017

Inside the Beast



Descobre(ME)
Clica na imagem


Apetece-me #55

Apetece-me aquele (teu) toque safado...
Que desperta todos os demónios escondidos em mim...
Apetece-me o sussurrar rouco da tua voz...
Que me faz delirar...
SIM...
Apetece-me sentir esse fogo que te consome...
Que me faz contigo querer pecar...
Apetece-me que do meu corpo faças o teu altar...
Diante dele te irás ajoelhar...
Apetece-me aquele (teu)toque safado...
Que me beija, lambe, morde...
Apetece-me gemer, gritar ... 
Até suplicar por mais ... e mais ... 
Apetece-me este despertar...


Apetece(TE)??


domingo, 12 de novembro de 2017

Vem comigo!!



Levas-me pela mão num passo apressado parecíamos dois adolescentes inconsequentes fervorosos e apaixonados, paraste junto a um velho prédio olhaste em volta e entramos no seu interior, silenciosamente nos adentramos naquele escuro lugar, evitamos acender as luzes para não denunciar a nossa presença, passamos a entrada subindo de imediato alguns degraus daquela escada, paramos entre andares, o sangue fervia num misto de adrenalina e tesão. O receio de ser-mos apanhados e a vontade de ser possuída naquele local me causava sensações inquietantes, parados juntos daquele velho corrimão de madeira nos beijamos ardentemente, dás-me a volta, e sinto o teu forte abraço, a tua mão no meu pescoço sente as palpitações do meu coração inclino-me para ti deixando o meu pescoço à tua mercê, ao qual mordes e beijas de imediato, as tuas mãos percorriam a minha silhueta acariciando-me os seios com minúcia, de seguida deslizaste pela minha cintura passando pelo meu ventre continuando a descer...
Puxaste-me o vestido para cima.. a tua mão quente percorria a minha pele e à tua passagem doces arrepios eram sentidos, aquele atrevimento não cessava e ainda não me tinhas tocado já me sentia escorrer, sentia-te pulsante dentro das tuas calças puxando-te para mim sentindo essa tua virilidade a roçar-se por mim, enlouqueces de tesão e não aguentas mais, arrancas-me as cuecas num gesto rude e atrevido deixando-me nua à tua frente... Abro o fecho das tuas calças com as mesma gula expondo o teu sexo virtuoso e erecto... 
Empurras-me para a frente ficando assim debruçada sobre o corrimão e afastando-me as pernas com as tuas.. os meus cabelos eram empunhados nas tua mão de forma firme enquanto fazes-me arquear as costas, ao mesmo tempo que me invades, penetrando os meus lábios, percorrendo o meu interior. Com a mão na boca (para evitar fazer ruído) solto um forte gemido, misto de dor e prazer... entras bem fundo dentro de mim num movimento ousado e certeiro que me preenche totalmente as entranhas escaldantes do prazer que nos percorre os corpos.. A cadência aumenta e entre o movimento frenético de profundas penetrações, dois apaixonados deixam-se levar, partilhando o seu tórrido propósito naquelas escadas. Um som ensurdecedor ecoa pelo prédio, entre gemidos exalares e o impacto dos nossos corpos a sinfonia era divinal o resultado não podia ser melhor por momentos nos perdemos em nós... não mais estávamos ali estávamos no nirvana desfrutando um do outro deixando que a nossa paixão fosse o nosso guia.


Vem comigo!!
Texto em colaboração dos escritores
Mónica Pedro e Leonardo Reis

Levas(ME)


Levas-me para a escada  de um qualquer edifício.. e contra o velho corrimão de madeira envernizado.. puxas-me o vestido para cima.. percorrendo a minha pele que se arrepia com a passagem atrevida das tuas mãos deixando-me nua à tua frente .. arrancas-me as cuecas num gesto rude rompendo-as ficando o meu sexo húmido completamente exposto à tua disposição..  
Empurras-me para a frente ficando assim debruçada sobre o corrimão e afastando-me as pernas com as tuas.. puxa-me os cabelos fazes-me arquear as costas ao mesmo tempo que solto um gemido misto de dor e prazer.. entras bem fundo dentro de mim num movimento ousado e certeiro que me preenche totalmente as entranhas escaldantes do prazer que nos percorre os corpos.. num movimento frenético de penetrações profundas e assim nos deixamos levar pelo som ensurdecedor dos gemidos que ecoam à nossa volta. 

quarta-feira, 8 de novembro de 2017

Delírios Matinais #15




Adoro quando me apodero de TI
quando transformo o Teu prazer no Meu
Adoro sentir TE estremecer
...tão puro...duro...
Adoro quando me apodero de TI

terça-feira, 7 de novembro de 2017

Pensamentos Nocturnos #18


Anseio esse teu fervoroso desejo.   
Sinto-o como me toca como atinge a minha carne,  
como se apodera do meu ser.   
As ganas de ser assim o quanto tu és para mim.   
Sem calma sem subtilezas, sem limites nem pudores.   
Desejo-te louco, livre,  
que sejas a luxuria encarnada.   
Desejo-te quente, rijo, pulsante
livre e aéreo invadindo cada contorno da minha silhueta, 
penetrando-me a alma fazendo-me escorrer 
que sejam os teus lábios aqueles que sorvam essa minha essência, este meu licor de deuses...   
Desejo-te muito além da racionalidade,  
dos impulsos intensos,  
que o corpo possa manifestar,  
sinto como me perco junto a ti e em ti desperto.   
Desejo-te no mais intimo dos meus sentimentos,  
no mais ousado dos meus atrevimentos.   
Desejo-te.

segunda-feira, 6 de novembro de 2017

Meninos vamos falar de SEXO

SEXO - É uma ARTE


O sexo é uma arte que todos gostariam de dominar. Mas como em todas as formas de arte, há quem a entenda e quem lhe passe ao lado. Na foda passa-se a mesmíssima coisa. Há quem aceite o conceito inscrito na sua génese e quem levante moinhos de vento. Ou seja, há os que percebem a dinâmica sexual propriamente dita, um entra e sai tão simples como inspirar e expirar, e outros que insistem em reinventar a roda.

Se há coisa que me arrepia, é aquele tipo de gajo que acha que foder .... 
Tem apenas um caminho: o que entra
E uma intensidade: a força
E um destino: bater no fundo

Não há nada mais exasperante para uma mulher que perceber que se não tiver cuidado, em vez de uma foda bem dada lhe vão fazer uma extracção das amígdalas, tal é a força (e o total desconhecimento) com que o macho a penetra. 
Pior: penetra e lá fica, a hibernar, mexendo o quadril como se o "coiso" fosse uma broca gigante que perfura, perfura, perfura o interior da mulher, qual garimpeiro em busca do ouro. O que interessa é que seja com força e até ao fundo. São homens em missão, obviamente solitária, que, julgo, nascer daquele mito masculino do «todo lá dentro da querida». 

Esqueçam os lábios vaginais, as zonas sensíveis que aí existem facilmente estimuladas pela passagem do "coiso", obliterem o clitóris, obnubilem tudo isso. Para certo tipo de homens, enfiar é a palavra de ordem. Eu até percebo que o sexo possa sufocar com tantas exigências, especialmente no plano do desempenho e da esperada eficácia, mas bolas, por Toutatis!, que raio de fixação! É uma espécie de foda à coelho, um lapin despropositado, um bailado desconexado numa caixa velocidades com apenas uma mudança: a quinta. 

Caríssimos, não sejam apressados. Perfilem-se na pole position e dêem as voltas de aquecimento necessárias. Usem a dita caixa de velocidades de todas formas possíveis e sejam indulgentes com as várias combinações que ela vos permite. 
E já agora, quando sentirem o vosso "coiso" embater na parede, se calhar é porque a pista acaba ali… 

(E esta é a minha humilde opinião e vale o que vale ... mas se é para passar por um suplicio deste mas vale ficar a ver a novela e eu nem gosto de novelas ... mas sou MULHER para te dizer que fodes mal. E agora podem começar com os ataques habituais) 

Mau Feitio  

sexta-feira, 3 de novembro de 2017

Delírios Matinais #14


Fecho os olhos e deixo-me levar pelo aroma do teu corpo encaixado no meu. O teu sexo erecto desliza livremente dentro do meu à medida que o meu corpo se move desenfreadamente no teu.  

Louca procuro em ti o âmago do intenso prazer. Sem perdão contrais-te fortemente e sinto-te sufocar entre os gemidos que soltas na volúpia dos movimentos ímpares que te descrevo com as minhas ancas.  

Saboreio o som ecoante do nosso prazer enquanto balanço o meu corpo firmemente encaixado no teu.  

Sublimemente observo-te enquanto te sinto bem fundo dentro de mim...  

quinta-feira, 2 de novembro de 2017

Outros ECOS #1


Foste um amar estranho de conquistar, 
Fostes um amar inesperado, que amadureceu no peito 
Fostes a ilusão sincera do passado 
És a triste realidade do presente
Fostes a expectativa de um amar que de um beijo nasceu 
E assim se instalou e cresceu 
Foste reciprocidade de sentimentos, 
Fostes tudo que eu queria 
E de repente o sonho acabou e a realidade se instalou 
Fostes um amar que com uma simples palavra a decepção assentou
Fostes um amar que partiu de repente, deixando-me somente esta raiva
Fostes um amar que tenho de aprender a esquecer ... 
Fostes a ilusão que não volta mais 


(Meu Sentir)

terça-feira, 24 de outubro de 2017

Apetece-me #54



Apetece-me comandar o teu prazer à distância.. 
Apetece-me trocar contigo palavras ardentes e repletas de tesão.. 
Apetece-me envolver-te numa visão de desejo e levar-te a tocares-te para mim.. 
Apetece-me trocar instintos carnais.. 
Apetece instigar o teu lado animal.. 
Apetece-me
Apetece-te tocares-te assim para mim???

segunda-feira, 23 de outubro de 2017

Pensamentos (meus) #6



Na imensidão das palavras perdidas ao vento, são colhidos sentimentos honestos perante a adversidade da distância.

O olhar que te tenho perdido, encontro todas as noites nos meus sonhos, tal como o toque dos teus lábios que sinto na ténue fragrância da brisa de norte.

Talvez um dia sinta o calor do teu coração pulsando dentro de ti, mas agora, cabe-me saber usufruir dos tremores e calafrios que me causas a cada toque desta ilusão...



A viagem


Numa tarde algures no tempo 
(...)

Libertou-se da roupa deixando a pele respirar e entrou na água. Refrescou-se deixando que a água inundasse cada pedaço de pele.
Rapidamente o grupo entrou na brincadeira, e entre os risos e gargalhadas sonoras, afastou-se lentamente. Sentiu que um olhar a seguia, e continuou. Sem que notassem a ausência refugiaram-se os dois naquele recanto meio escondido pelas pedras e árvore. Num sussurro, diz-lhe ao ouvido o quanto o acha irresistível, fazendo-o sorri, porque sabe perfeitamente aquilo que lhe povoa o pensamento.
Estavam completamente sozinhos e o desejo que tinham um pelo outro transparecia nas carícias, nos beijos, no olhar, numa cumplicidade só deles. Não havia mais ninguém.
Ela deu-lhe um beijo demorado nos lábios, enquanto a sua mão desce ao longo do seu peito e lhe entra dentro dos calções, provocando-lhe uma reacção deliciosa.
Morde os lábios ... não o faz esperar e a sua boca, ansiosa de o sentir, percorre-lhe corpo. De repente, pára, deixando-o ainda com mais vontade.
Nem sabe o tesão que lhe dá ver a sua cara de prazer, o seu corpo a pedir o dela. Nadou para longe de dele, deixando-o a desejá-la, de encontro com o grupo que começa a sair da água.

Agora os corpos banhados pelo sol repousam na margem, aproveitando o ambiente relaxado que se proporciona.
As conversas foram surgindo, animadamente, e por entre brincadeiras, foram-se revelando verdades.
As vozes misturavam-se com os sons calmos da natureza, os risos aumentavam e os (seus) olhares perdidos no horizonte tentavam disfarçar o segredo escondido.
Não deu pelo tempo passar, deixou-se adormecer à sombra. Olhou em volta e repara que está sozinha. Ouve sons e vozes. Foram todos de novo para a água. Entrou, e sentiu o olhar dele, mas não ligou. Mergulhou, e sentiu a pele quente arrefecer ao ser envolvida pela água.

Entre brincadeiras e mergulhos todos começam a sair da água até que alguém desafiou o grupo a tirar os calções e atira-los para a margem.
Quando elas, safadas, lhes levaram os calções e riram, um deles decidiu que teria de haver uma pequena vingança. Disse para os rapazes: “eu vou sair da água assim.. quem vem? elas vão ficar parvas porque pensam que não somos capazes”. Todos acederam e assim foi. Lentamente, foram-se aproximando da margem. Quando se levantaram e aproximaram, todas, sem excepção, ficaram surpreendidas. Ficaram ali, corpos molhados, a pingar água de todas as pontas, em fila, com ar de malandros. Elas nem respiravam. Saiu-lhes o tiro pela culatra. Como ninguém dizia nada, avançou quem tinha tido a ideia. Põe a mão no cabelo para o ajustar, e aproxima-se. “Qual das donzelas tem os meus calções? É que gostava de os estender para secar?”

Apareceram a voar e ficaram presos sua minha cabeça.. risada geral. Conforme se devolviam os calções foram-se formando alguns casais. Ninguém dizia nada, mas todos tinham visto os toques nas pernas de uns, a noite supostamente secreta de outros.
O resto do dia passou-se normalmente. Foram conhecer as imediações, mergulharam na cascata, mas desta vez, também as mulheres se despiram.
Com o cair da noite, em vez de cada um na sua tenda, estavam praticamente formamos casais com quase todos. Houve um membro que se afastou um pouco e foi-se sentar numa pedra, húmida a olhar as estrelas. Olhou para trás, para aquele grupo. Sorriu. Deixou-se ficar a contemplar a natureza e os sons da noite.
Quando foi para a tenda, ao abrir o fecho e reparou em alguém deitado, dormindo serenamente de barriga para baixo. Cabelos longos, pretos. Conheceu-a logo. Fechou o zipper da tenda, lentamente para não a acordar.

“Estava difícil homem”, disse baixinho. 
“Estava a aproveitar o última dia desta natureza..”, respondeu. 
Olhou-a nos olhos e os seus lábios carnudos entreabertos. Sorriu-lhe e disse-lhe apenas: “mas há outra natureza que vou explorar agora. Não consegui deixar pensar em ti, mesmo depois da tua brincadeirinha na cascata.” 

Beijou-a. Todo o sono que podiam ter desvaneceu-se naquele momento em que os lábios finalmente se encontraram. Despiu-lhe a camisola de dormir, lentamente por cima da cabeça e ela fez-lhe o mesmo. Encostaram o peito um no outro e aquele toque fez-lhe crescer o órgão do prazer. Ela apercebeu-se e colocou a mão dentro dos calções envolvendo-o e tocando-lhe: 

“hmm está ainda melhor que hoje na água”

Cresceu ainda mais, ficando hirto na sua mão fria que rapidamente aqueceu. Agarrou-lhe a nuca enquanto a beijava. Deitou-a e seguiu beijando, enquanto lhe contornava o corpo com os seus lábios e língua. Pausa obrigatória nos seios. Os mamilos estavam hirtos e sugou-os fazendo-a soltar um pequeno gemido. Continuou a descer até lhe chegar à caverna secreta. Sentia a humidade sem lhe tocar. Sentia-se o Ali Baba à porta da caverna, mas em vez de um “abre-te sésamo”, deu-lhe um beijo, nos lábios. Quando o fez, a sua língua saiu ligeiramente e degustou-lhe o clitóris, massajando-o. Sentia-a tremer e ouviu-lhe um gemido quando soltou o seu líquido salgado do clímax. Ela, excitada, puxou-lhe os cabelos e a cabeça para o beijar apaixonadamente. Automaticamente, entrou nela e sentiu-a fincar as unhas nas suas costas. Movimentos ritmados, a dois. Entrava e saia, lentamente, para lhe sentir todo o interior, e para que ela lhe sentisse todos os milímetros. Os beijos, os toques, a penetração fizeram com que chegassem os dois ao orgasmos praticamente ao mesmo tempo. Nem se lembraram onde estavam, gemiam de prazer. Deitaram os corpos nus e ela, adormeceu no seu peito.

De manhã, saíram da tenda e arrumaram tudo junto com os outros. Malas, tendas, geleiras tudo arrumado dentro do jipe. Fizemos um brinde, com café quente. Arrancaram de volta à vida normal, deixando para trás aquele paraíso.

Mónica Pedro/Pedro Silva


quarta-feira, 11 de outubro de 2017

Apetece-me #53

Apetece-me manipular o Teu prazer.. 
Apetece-me segurar firmemente no teu sexo tocar lhe até ficar bem rijo.. 
Apetece-me impor-te o meu ritmo ... conduzir-te lentamente ao êxtase ... inundar-te de prazer
Apetece-me manipular o teu prazer com movimentos suaves e bruscos ... fazer-te suplicar ... ouvir-te gemer ... sentir te a latejar fortemente 
Apetece-me dar te prazer.. muito prazer..
Apetece-me terminar assim ao fazer com que te venhas fluidamente sobre o meu peito


Apetece-me manipular o Teu prazer..
E a TI apetece-TE(??) ser manipulado assim



terça-feira, 3 de outubro de 2017

Sabes ...


…quero estar contigo, sentir a tua alma, o teu corpo, a tua boca. 
Quero ouvir as tuas fantasias sussurradas na noite, acordando os meus sentidos, arrancando da minha mente todos os desejos escondidos, quero o teu corpo colado ao meu, fundindo-se, amando, quero tocar o teu corpo por inteiro, quero sugar todas as tuas gotas de suor com a ponta da minha língua, quero saborear todos os teus desejos, quero sentir-te, quero amar-te… 

sexta-feira, 22 de setembro de 2017

Acompanhas-me?


Apetece(ME) Desafiar(TE)
Encontrar-te num bar de hotel como se não te conhecesse. 
Convidar-te para uma bebida e encaminhar-te a sentar no canto mais escuro e convidativo. 
Estar apenas ao teu lado, silencioso a observar-te enquanto comunicarmos apenas com o olhar profundo que nos envolve e nos seduz. 
Levantar-me e conduzir-te ao elevador...
Subir contigo e... 
Acompanhas-me?

©Mónica Pedro 
(Todos os direitos reservados Código do Direito de Autor e Lei 16/2008)

Um dia...


Um dia convido-te a trazeres só o desejo...
Um dia desafio-te a vires
Tirar-te-ei a roupa e os temores, e dar-te-ei o cheiro da minha pele e do meu desejo, livres de pudores.
Um dia envio-te uma mensagem com um destino, que não é apenas um sítio, e vou ser eu a abrir-te as portas à chegada... mas serás tu a vir e a entrar...serás tu a receber-me.
Um dia será a minha lingerie
A roupa de gala, mas não de cerimónia, para celebrar o nosso encontro, do nosso reencontro, do desejo pendente, desta paixão ardente, que nos devora o sono e nos preenche o dia...
Um dia não será apenas mais ...
Mas uma realidade de olhos nos olhos

Outono


...


quinta-feira, 21 de setembro de 2017

U understand ...




"While I can’t have you, I long for you. I am the kind of person who would miss a train or a plane to meet you for coffee. I’d take a taxi across town to see you for ten minutes. I’d wait outside all night if I thought you would open the door in the morning. If you call me and say ‘Will you…’ my answer is ‘Yes’, before your sentence is out. I spin worlds where we could be together. I dream you."

Apetece-me #52


Apetece-me SEXO
Sim ouviste bem
Apetece-me se possuída de uma forma animalesca e carnal
Sentir-te profundamente dentro de mim ... completamente rijo
Apetece-me a força brutal do encaixar do meu sexo húmido ao teu erecto
Apetece-me que se soltem os gritos e os gemidos altos e profundos
que trocamos a cada estocada impiedosa que sinto
Apetece-me sentir o poder animal que escondes em ti
Apetece-me que o soltes em mim ... 
Apetece-me  como se fosse a ultima vez que te fosse sentir em mim
Apetece-me SEXO o mais puro e duro ... SEXO
Sim ouviste bem
Apetece-me
E a TI
Apetece-Te(?) possuir-me assim(?)



terça-feira, 19 de setembro de 2017

Toca(ME)



Deslizar contínuo, envolvente que escorrega por mim, e se deixa ir na intensa vontade que se passeia e ondula por todo o meu corpo, doce arrepio de prazer, intenso e liberto, para além do suspiro arrebatador que me enche, e sufoca o deleite contido na carícia. 
Subtil promessa de paixão que prova, saboreia, confessa e envolve a sumptuosidade e a grandeza das fantasias que se soltam entre os teus dedos, descobrindo secretos anseios, revelando os caprichos que me tocam a pele, num fluir de gritos surdos que ecoam nas paredes do meu querer.
Serena meditação, na intensidade dos sentidos, que param, esperam, estremecem, e abraçam só para si, o auge do desejo prometido, que me ofereces as tuas mãos…

segunda-feira, 18 de setembro de 2017

Apetece-me #51


Apetece-me sentir os teus lábios acariciando a minha pele molhada
Apetece-me sentir o serpentear da tua língua 
(despertando em mim os mais insano desejos) 
Apetece-me
Apetece-te(?) 

Delírios Matinais #13

Quero o teu sexo.. Quero o teu sabor..
Quero o teu sexo quente na minha boca húmida colado aos meus lábios, enquanto a minha língua solta te explora incessantemente..
Quero o teu líquido espesso a fluir livremente para mim enquanto te lambo bem devagar nesta inquieta vontade de te sentir endoidecido 



Quero absorver todos os sinais de prazer que o teu corpo ME entrega 
Quero-te MEU

sexta-feira, 15 de setembro de 2017

TU


Gostas de me ver assim à mercê dos teus desejos… completamente entregue as tuas vontades



... a Ti me entrego

Vendas(ME)


Vendas-me e dizes-me ao ouvido que me adoras e eu sorrio e deliro contigo. Gostas tanto como eu destes jogos, gostas de provocar-me, de fantasiar comigo.

Despes-me lentamente, as tuas mãos percorrem o meu corpo com desejo. Não te posso ver, só imaginar, mas sinto a tua tesão e isso descontrola-me. Ouço a tua respiração ofegante e o jogo continua...

©Mónica Pedro
(Todos os direitos reservados Código do Direito de Autor e Lei 16/2008)

quarta-feira, 13 de setembro de 2017

Delírios Matinais #12


Throw me against the wall.
Your power is my madness.
(It becomes pure sex)

©Mónica Pedro 
(Todos os direitos reservados Código do Direito de Autor e Lei 16/2008)

terça-feira, 12 de setembro de 2017

Sonho(TE)



Esta noite inventei-te na luxúria do meu sonhar.
Amputei-te a alma o coração ... exultei unicamente o teu corpo e os sentidos.
Quero o teu corpo, despido de quem és.
Calei-te as palavras, deite-te voz unicamente aos gemidos e gritos de prazer.
Os nosso corpos envoltos em êxtase, suados ...
Busco-te em cada fonte de prazer, percorro cada centímetro da tua pele numa descoberta cada vez mais além, sem fronteiras.
Abraço-te numa sofreguidão de um náufrago, numa ânsia devorada ...
Sonho-te ainda como poeira cintilante num céu estrelado ...
Pesadamente, afundo a cabeça na almofada e desço no abismo escuro onde naufragam todos os sonhos.
Sonho-te .....................................................

©Mónica Pedro
(Todos os direitos reservados Código do Direito de Autor e Lei 16/2008)

domingo, 10 de setembro de 2017

Sabes(?)


Todos os meus pensamentos são pecaminosos por excelência
Espero que não te importes ... porque estou a pensar em TI  

segunda-feira, 28 de agosto de 2017

Sabes que me apeteces ...



Apetece-me sentir o domínio das tuas garras.
O perigo da tua força, a ânsia da tua boca, a malícia do teu olhar, o teu lado animal.
Mostra me quem manda, excita-me, com tua voz firme, palavras rudes e obscenas.
Faz-me estremecer, mobiliza os meus desejos, deixa-me sem forças, para que eu consinta que faças de mim o que desejares.
Faz-me tua


quinta-feira, 24 de agosto de 2017

"Distância"

Eram 2134 os km que os separavam, durante dias ela tentou conter o desejo que a consumia, tentou esquecer aquele corpo, aquele beijo, aquele toque mas o seu pensamento teimava em trair-la e quanto mais tentava ... mais insuportável se tornava aquela ausência, mais a sua vontade aumentava, mais o desejo queimava e ela enlouquecia, o seu corpo reclama, suplicava pelo corpo dele ... e num momento de loucura transpôs a barreira da distancia e ... regressou somente para nos seus braços se perder, para ao desejo se entregar ... 


Quando os seus lábios se tocaram os seus corpos estremeceram de desejo, libertando aquela chama ardente que lhes consumia a alma e rapidamente os seus corpos nus se envolveram numa redescoberta de prazer, entre as caricias, toques e os beijos.
Ele percorreu o corpo dela, sentido na ponta dos seus dedos o calor da pele que se arrepiava, o corpo que estremecia e o olhar denunciava o seu desejo de ser amada, enquanto dos seus lábios brotavam pequenos mas intensos gemidos ...

Delicadamente ... demoradamente ... percorreu o corpo dela atiçando ainda mais o seu fogo, despertando toda a sua luxuria, humedecendo todo seu ser ... prolongando aquele momento em que ela se entregava ... em que a sua rigidez a penetrava, lentamente fazendo com que o seu corpo se arqueasse ... para o receber ... e num ritmos lento mas vigoroso manobrou o corpo dela com mestria, preenchendo toda a sua intimidade ... em estucadas lentas mas fortes apoderou-se do seu corpo, da sua alma e entregou-se ao prazer que ambos sentiam ... e os gemidos transformaram-se gritos, as palavras sussurradas saiam abafadas e sem sentido, as bocas que se comiam, os olhares que se denunciavam, os orgasmos que se intensificavam e os seus corpos que se encaixavam cada vez mais como se um só se tratasse, balançando ao som do prazer ... de um prazer tão puro ... tão louco ... tão intenso ... tão feroz. 


"A distância é como os ventos: apaga as velas e acende as grandes fogueiras."
François La Rochefoucauld

terça-feira, 22 de agosto de 2017

Jardim secreto!


Enrolados entre mantas e lençóis
com a nossa pele a descoberto
perdidos num quaisquer lugar 
oculto dos olhares,
oculto das vozes de outros...
Era hora de adentrar-me nesse teu jardim
nesse teu secreto campo de flores,
onde residem os teus mais suculentos odores
perdendo-me nesse teu recôndito lugar
vejo-me nesse morder de lábios desejosos
de adentrar-me e te fecundar,
imagino esse sorver de lábios,
enquanto esse néctar vai gotejando
ver-te contorcer numa quaisquer possessão demoníaca,
agarrando-me na minha cabeça em suplica de devora,
sentires o percorrer da minha lascíva língua 
te traz doces torturas
que em logo logo culminara 
nesse teu meu amor fluido
O amor és sujo é uma imundice que nos percorre
que nos mancha a alma
e que nos dá vontade de viver
amo amar esse teu jardim
esse teu jadim secreto
esse pecado de paladares
Até breve meu amor 
até um novo querer 
dessa imunda satisfação junto a mim

de Leonardo Reis
21/08/2017

Simplesmente porque gosto de te LER

segunda-feira, 21 de agosto de 2017

5 Anos de Blog


Il Mio Peccato celebra 5 anos de vida ... 
Cinco anos de letras, frases e pensamentos emaranhadas em mim.
Cinco anos de risos e choro, de abraços e de mãos dadas, de tolices e delírios, de desejo e prazeres, de vontades e fantasias, de momentos e pensamentos (parvos e banais).
Cinco anos de partilhas, de Olás e Adeus, de viagens que ainda duram e de outras tantas que já terminaram.
Cinco anos de vocês, de nomes que vão chegando e de outros que vão saindo.
De caras que imagino, outras que sei, outras que nem sonho.
Cinco anos de pessoas que entraram na minha vida, há anos, há meses, há semanas ou há dias.
... Cinco anos ...
... de PECCATO ...
Obrigada
A TI
que me segues
que me comentas
que me lês
Obrigada

domingo, 20 de agosto de 2017

Aiiiiiiiiiiiiii Senhor

Dai-me paciência para aturar estas mentes pequenas


Anónimo Anónimo
é tão fácil vir aqui e comentar, tentar ofender e humilhar o difícil é ter inteligência para não misturar um virtual com um real 
Aiiiiiiiiiii 
Senhor dai-me paciência
para aturar estas mentes pequenas