domingo, 18 de janeiro de 2015

Dassssssssssssssssssssss


... que isto esta a ficar estranho ...
Era só o que me faltava, agora tenho de levar com a nova namorada do meu ex-marido, que insiste em ser minha amiga ... mas será que sou a única que acha isto um tanto ao quanto estranho.
(começo a sentir-me perseguida
dassssssssssss

domingo, 11 de janeiro de 2015

E ...

O tempo insiste em torturar-me permanentemente. 
A tua ausência torna-se num pesar de saudades demasiado demorado na tua espera. 
A tua presença é um voar de tempo a velocidade estonteante. 
Tudo contigo cai pelo rumo da perfeição. 
Pela visão da utopia. Pelo desejo a invadir-me o corpo. 
E pelo vislumbre de não querer mais nada.
Despertas-me o corpo num êxtase que não se controla só pelo quão perto ficas de mim...


... quando o corpo pede um outro corpo para o acompanhar ...

sábado, 10 de janeiro de 2015

Pensamentos Nocturnos #10


Nua sobre a cama, fecho os olhos e o pensamento voa ao encontro das tuas palavras tentando ouvir a tua voz entre os sussurros da noite … do meu corpo brotam as chamas do desejo que por ti sinto. As minhas mãos acompanham esta sintonia e em pequenas carícias sinto-me … e o meu corpo reage, o desejo aumenta e das minhas mãos faço tuas … sinto-me com intensidade e de mim arranco os gemidos deste desejo contido que não omito e a este momento me entrego como se me entregasse a ti … e quase que te sinto … deixo que esta minha visão de ti … controle os meus movimentos, percorro o meu corpo como se esta (re)descoberta fosse tua  … começando no peito em suaves caricias, movimentos circulares, o arrepio provocado pela estimulação, aperto, puxo, acaricio, uma mão que desce ao ventre, humidade que se sente, as pernas que se abrem, o corpo que estremece, o calor que exala, o sexo que espera, sem demora ... húmido quente, os dedos que escorregam …  primeiro as caricias o prolongar do momento, depois um dedo que entra e depois outro a procura daquele ponto que me deixa louca ... o acelerar dos movimentos e o orgasmos tão esperado, o néctar que escorre a vontade de continuar o desejo de ter a observar este meu momento.


[Sinto o teu olhar em MIM]

segunda-feira, 5 de janeiro de 2015

Apetece-me #41

Fecho os olhos e perco me na imaginação,
Sinto teus lábios húmidos
Enlouqueço com o serpentear
da tua língua procurando o prazer
Aqueço-me no calor do teu corpo
e navego na maciez do teu desejo
Ouço o pulsar do meu coração em batidas descompassadas
Sussurro, palavras desconexas em delírios de paixão
prenuncia de um orgasmo que me enlouquece
E o clímax do acontece delirante de prazer


Este desejo que me domina e enlouquece


***Apetece(s)-me***

domingo, 4 de janeiro de 2015

*** Na formação de UM só ***

Senti no recorte do meu corpo
O teu serpentear da tua língua, num leve arrepiar
A leveza dos teus dedos, tacteando o meu desabrochar
*** solto-me ***      
*** naquela sensação que arrepia ***
Viajando na eternidade de um momento, em refluxos de prazer
Em contorção indomável, na entrega sentida,
Amando plenamente, numa paixão insolente
 *** no amor *** 
*** no prazer ***
*** no sexo ***
Em difuso bacanal, no teu corpo e seu convexo
Num acto de plenitude
*** de arrebatamento total ***
Sentindo-te a longitude, em profundeza transversal
No cruzamento fluido, nos líquidos dos teus beijos
No teu corpo em esvaído, no teu bradar solfejo
Compreendendo a incursão, nesta minha existência
Do porquê da comunhão, do sentido da reverência
*** pelo universo, por esta natureza indomável ***
Em corpos que se fazem seus, numa massa disfórica
E que na dicotomia, percebem que são no todo, UM


*** em volúpia, transcendem-se ao incomum ***
*** naquela “metástase” invertida ***
*** na formação de um só ***