quinta-feira, 24 de agosto de 2017

"Distância"

Eram 2134 os km que os separavam, durante dias ela tentou conter o desejo que a consumia, tentou esquecer aquele corpo, aquele beijo, aquele toque mas o seu pensamento teimava em trair-la e quanto mais tentava ... mais insuportável se tornava aquela ausência, mais a sua vontade aumentava, mais o desejo queimava e ela enlouquecia, o seu corpo reclama, suplicava pelo corpo dele ... e num momento de loucura transpôs a barreira da distancia e ... regressou somente para nos seus braços se perder, para ao desejo se entregar ... 


Quando os seus lábios se tocaram os seus corpos estremeceram de desejo, libertando aquela chama ardente que lhes consumia a alma e rapidamente os seus corpos nus se envolveram numa redescoberta de prazer, entre as caricias, toques e os beijos.
Ele percorreu o corpo dela, sentido na ponta dos seus dedos o calor da pele que se arrepiava, o corpo que estremecia e o olhar denunciava o seu desejo de ser amada, enquanto dos seus lábios brotavam pequenos mas intensos gemidos ...

Delicadamente ... demoradamente ... percorreu o corpo dela atiçando ainda mais o seu fogo, despertando toda a sua luxuria, humedecendo todo seu ser ... prolongando aquele momento em que ela se entregava ... em que a sua rigidez a penetrava, lentamente fazendo com que o seu corpo se arqueasse ... para o receber ... e num ritmos lento mas vigoroso manobrou o corpo dela com mestria, preenchendo toda a sua intimidade ... em estucadas lentas mas fortes apoderou-se do seu corpo, da sua alma e entregou-se ao prazer que ambos sentiam ... e os gemidos transformaram-se gritos, as palavras sussurradas saiam abafadas e sem sentido, as bocas que se comiam, os olhares que se denunciavam, os orgasmos que se intensificavam e os seus corpos que se encaixavam cada vez mais como se um só se tratasse, balançando ao som do prazer ... de um prazer tão puro ... tão louco ... tão intenso ... tão feroz. 


"A distância é como os ventos: apaga as velas e acende as grandes fogueiras."
François La Rochefoucauld

2 comentários:

  1. ... e ao prazer tão bom, juntar-se o suave relaxe... o lamber das feridas, o encaixe lento, a caricia quente que permanece, o doce cheiro do extase que os completa e sacia, por agora.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. As loucuras que se cometem por algo a que chamam Amar

      Baci

      Eliminar