quarta-feira, 4 de março de 2015

"NUDEZ"


Voavas sobre a minha nudez
Como pássaro de primeiro voo,
Descobrindo mistério de selvas
E de águas correntes
Que vão à direcção do mar,
Unindo-se em beijo agridoce
Num gemido sacrilégio
Da minha garganta pagã,
Abrindo portas de catedrais profanas,
Onde, devoto, recebias,
A hóstia sagrada do meu corpo
Em rito de luz iluminando altares
Vindo do meu humano prazer
Que não se apaga, só esmorece,
Voltando a brilhar intensamente
Com o toque subtil dos lábios teus
Nos meus seios…

Sem comentários:

Enviar um comentário