domingo, 4 de janeiro de 2015

*** Na formação de UM só ***

Senti no recorte do meu corpo
O teu serpentear da tua língua, num leve arrepiar
A leveza dos teus dedos, tacteando o meu desabrochar
*** solto-me ***      
*** naquela sensação que arrepia ***
Viajando na eternidade de um momento, em refluxos de prazer
Em contorção indomável, na entrega sentida,
Amando plenamente, numa paixão insolente
 *** no amor *** 
*** no prazer ***
*** no sexo ***
Em difuso bacanal, no teu corpo e seu convexo
Num acto de plenitude
*** de arrebatamento total ***
Sentindo-te a longitude, em profundeza transversal
No cruzamento fluido, nos líquidos dos teus beijos
No teu corpo em esvaído, no teu bradar solfejo
Compreendendo a incursão, nesta minha existência
Do porquê da comunhão, do sentido da reverência
*** pelo universo, por esta natureza indomável ***
Em corpos que se fazem seus, numa massa disfórica
E que na dicotomia, percebem que são no todo, UM


*** em volúpia, transcendem-se ao incomum ***
*** naquela “metástase” invertida ***
*** na formação de um só ***

1 comentário:

  1. Poema simplesmente maravilhoso, super excitante
    ..............................
    Gostava de ler?

    "" Meiguices Sensuais e sexuais ""
    http://deliriosamoresexo.blogspot.pt/

    ResponderEliminar