terça-feira, 22 de abril de 2014

Incendeia(me)

Dá-me a chama de um prazer no auge, alimenta-me a boca, agarra-me, despe-me, toca-me onde não me sinto. 
Deixa escorrer pelo meu corpo a água, pela minha sede e pelo temporal das minhas coxas. Ata-me o desejo como quem sabe que há coisas que não se aprisionam.


*** Incendeia-me o corpo e a alma ***

4 comentários: