segunda-feira, 10 de junho de 2013

Adormecer


Entrego nos braços da noite o corpo exausto. Liberto a alma, selvagem, na escuridão que me envolve. Na companhia das estrelas, galopo pelos prados adormecidos, sentindo a cada passo, o crepitar do gelo que cede à minha passagem. Sigo, em direcção a lado nenhum, numa ânsia de libertação do fogo que me consome por dentro.
Procuro, nesta caminhada apressada, o corpo perdido numa cama qualquer. Sinto, o vazio da minha própria ausência, derramar-se sobre os meus sentidos. A noite, escura e fria, não consegue conter em mim a força que emana do meu espírito.
Deixo-me perder por aí, até que o dia me amanheça e me leve de volta ao corpo despido, que repousa numa cama qualquer.

3 comentários:


  1. Até que não se está mal nos braços de Morfeu... mas eu continuo a achar que é uma pena termos de dormir por tantas horas para conseguir o descanso do corpo e o equilíbrio da mente!

    Senão repara: para aqueles que conseguem, precisam ou fazem questão de dormir as 8h por dia... vê bem... passam uma terça parte da vida a dormir!

    :))

    Bons sonhos... e melhores despertares!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Até que por vezes me faz falta dormir as ditas 8h ... embora não o consiga fazer por mais exausta que esteja ... sou de dormir pouco (*.*)

      Bacio
      Peccato

      Eliminar
  2. Ainda não te vi pecar, daí nem sei se és mesmo pecadora!

    ResponderEliminar