sexta-feira, 10 de maio de 2013

Despe-me


Chego a casa, entro e rodo a chave na fechadura trancando a porta. Pouso a mala no chão junto à porta. Dispo o casaco e penduro-o no bengaleiro. Encaminho-me para o wc do escritório, os saltos altos das botas matraqueando no mosaico. Abro a torneira da água quente e começo a despir-me devagar. Tiro a camisa e coloco-a no cesto. Descalço as botas. Desaperto as calças e tiro-as. Tiro as meias e fico de lingerie púrpura de cetim enquanto o vapor enche a divisão. Deslizo lentamente o tecido pelos braços e pelas pernas e nua, entro no duche. Fecho os olhos e deixo que a água me molhe a pele… que escorra pelos cabelos, pescoço, pelas costas abaixo… Fico assim por uns momentos, suportando a água quase escaldante. Ensaboo-me e lavo cuidadosamente o cabelo. Desligo a água e enrolo-me numa toalha branca e felpuda. Passo a mão no espelho e contemplo a pele avermelhada. Seco-me suavemente e espalho o leite hidratante perfumado por todo o corpo. Seco o cabelo e moldo cada madeixa num caracol perfeito. Visto um roupão e descalça entro no quarto. Abro a gaveta superior esquerda do roupeiro e escolho um conjunto de corpete e tanga em preto. Visto-o e prendo umas meias quase diáfanas às ligas. Tiro o vestido preto curto da cruzeta e visto-o por cima. No fundo do roupeiro está uma caixa de sapatos. Novos. Pretos e de salto agulha. Guardados para uma ocasião especial… como hoje. Envolvo-me numa nuvem de Belle d’Opium. O matraquear dos saltos finos ouve-se agora no sentido inverso. Sento-me no sofá da sala e minutos depois ouço a chave rodar na fechadura. Entras na sala, curioso por achares todas as luzes acesas. Vês-me sentada no centro do sofá e apenas uma palavra de boas-vindas:

- Despe-me.


2 comentários:

  1. Bellissimo blog. Sono un peccatore anche io. Meglio di tanti falsi santi.

    ResponderEliminar