sexta-feira, 1 de março de 2013

Noite



As bocas desorientadas, perdem-se na ânsia das línguas molhadas e inquietas, as mãos enlouquecidas e trementes, guiam os movimentos dos corpos sedentos, que se deslizam e tacteiam, na avidez do desejo de se terem, muito para além dos sentidos. 
Num sorriso cúmplice, preenchido de luxúria, contemplamos-nos, os olhos, calados pelos lábios que se querem tocar, sussurram um ao outro, palavras que não se escrevem.
Completamente perdidos na essência um do outro, transpões-me a alma e invades-me carinhosamente o íntimo, numa conquista mútua de sensações únicas, que nos fazem estremecer o âmago, e disparar o pulsar alucinado da nossa paixão. Selamos o momento com um abraço envolvente, que nos funde e nos une, como se fossemos um só. 
O delírio dilacerante lateja por toda a nossa pele, a mente desassossega-se, alvoroça-se o nosso sentir, e o êxtase chega de mansinho, serenamente, como o dia que começa a clarear a noite, para lá da linha do horizonte...

Sem comentários:

Enviar um comentário