quinta-feira, 15 de novembro de 2012

Luxuria ...


Carnal travessura
Sensualidade de poéticos toques
Metáforas lascivas de prazeres sem pudor
Essência dos instintos da carne 
Que transpira, cheira, estremece
Causa tonturas 
A beira da loucura 
E da incompreensão
Timidez desvanecida 
Prazer que escorre e se espalha
Pelos lençóis húmidos
Amarrotados com aroma de desejo
Molhado
Suculento
Que geme
Que queima
No lamber da pele 
Apimentada, doce, proibida, arrepiada, perfumada 
Que descobre os segredos
Sem traição
Sem medo
Com as palmas das mãos 
Delineando caminhos com as pontas dos dedos 
Aumentando a respiração
O bater do coração
Entre gemidos e gritos permitidos
O corpo se expande
Se contrai 
Respira
Inspira
Sente 
Sorve
Saboreia 
A paixão que aflora
Que recebe o desejo e o beijo 
Que vem molhado, suculento
Que geme
que queima
Que doí e destrói
Que viola
Que penetra 
Que aprofunda
Que aperta
Que acolhe
Que anseia 
Que engole 
Em êxtase
Entrega e doação
Corpos em brasa 
Chamas de satisfação
Contrai-se
E deseja
E grita
E foge 
E se entrega
E respira
Desperta
E sente
O momento
Inocente
Sem culpa
Sem perdão 
Sem tempo
E noção
De tanto tesão
E paixão
Nada mais importa 
Se não esta explosão 

4 comentários:

  1. Não se explica...vive-se !

    Boss

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não se explica simplesmente se sente ...
      Beijinhos doces
      Violet

      Eliminar
  2. adoro a luxiria quente doce e a escorrer
    Beijoca charmosa e tenta tirar-me a " almofada" no meu Blog

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Luxuria como já aqui disse é um dos meus pecados ...
      Beijinhos doces
      P.S. já não cheguei a tempo de tirar a almofada ... fica para a próxima :P

      Eliminar